Terremoto no Afeganistão deixa quase mil mortos e 600 feridos

Compartilhar
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on telegram

Número provavelmente deve aumentar. Terremotos dessa força causam danos graves na área remota, onde casas e edifícios são mal construídos e deslizamentos de terra são comuns

Um terremoto de magnitude 6,1 na escala Richter matou ao menos 920 pessoas no Afeganistão, nesta quarta-feira (22), de acordo com autoridades do país. Mais de 600 ficaram feridas.

O abalo sísmico ocorreu cerca de 44 quilômetros da cidade de Khost, perto da fronteira com o Paquistão.

De acordo com a agência de notícias Bakthar, as áreas atingidas pelo terremoto estão em regiões montanhosas, por isso o resgate está sendo feito por helicópteros.

Helicópteros chegaram ao local para resgate de feridos
Foto: Reprodução – Bakhtar News Agency / AFP

Segundo o site, as autoridades locais temem que o número de mortos continue aumentando se o governo central não fornecer ajuda de emergência.  “Pedimos às agências de ajuda que proporcionem assistência imediata às vítimas do terremoto para evitar um desastre humanitário”, afirmou o vice-porta-voz do governo, Bilal Karimi. De acordo com ele, várias casas foram destruídas e muitas pessoas estão presas nos destroços.

O terremoto foi sentido em várias províncias da região, e também na capital, Cabul, localizada cerca de 200 km ao norte do epicentro do terremoto. Os tremores também foram observados no país vizinho Paquistão. 

O Afeganistão é propenso a terremotos, especialmente na área conhecida como Hindu Kush, de grande atividade sísmica e ponto habitual de tremores na região. Em janeiro do ano passado um terremoto de 5,3 graus provocou tremores no noroeste do Afeganistão, matando pelo menos 26 pessoas e destruiu 800 casas. 

Também em outubro de 2015 um terremoto de 7,7 graus com epicentro no extremo nordeste do país deixou mais de uma centena de mortos no Afeganistão e quase 300 mortos no vizinho Paquistão, onde também foram registrados mais de 2.000 feridos. 

Fonte: Correio Braziliense

Ultimas notícias