Caso Henry: Perito descarta morte acidental “Eu afirmo que o trauma abdominal é de alta energia”

Compartilhar
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on telegram

Nesta quarta (1°), o perito do IML que examinou o corpo de Henry Borel de 4 anos, ( que chegou morto a um hospital do Rio de Janeiro no dia 8 de março 2021), descarta que a morte tenha sido causada por acidente doméstico. “Baseado na literatura e no exame da perícia no local (no apartamento de Jairinho), não haveria possibilidade da lesão hepática por ação contundente que causa a morte de Henry e ter sido provocada por acidente doméstico”, afirmou Leonardo Tauil. O depoimento começou às 11h e foi encerrado às 15h08. O médico legista ressaltou ser muito difícil que quedas abaixo de 3,5 metros provoquem o tipo de laceração que causou a morte de Henry. “Eu afirmo que o trauma abdominal é de alta energia. É incompatível com uma queda da cama ou de um móvel do apartamento”.

O perito também esclareceu que a lesão não é uma dor ‘lancinante’. “É possível que a criança tenha andado após o trauma. Não é uma dor lancinante. É possível que tenha sofrido a lesão e tenha caminhado, e passado um tempo, o falecimento”, disse. Leonardo acrescentou ainda que havia a possibilidade de se realizar uma cirurgia e tratar esse tipo de lesão, a depender do tempo de socorro.

Ao ser interrogado, Tauil avaliou que o trismo (rigidez na mandíbula) de Henry identificada no hospital Barra D’Or, muito provavelmente tenha sido causada pela morte do menino. A defesa de Jairinho tenta sustentar que a criança ainda estava viva quando chegou ao hospital.

O perito afirmou ainda que as lesões causadas pelo socorro estavam na face do menino. Mas, que a principal hipótese é que a morte tenha sido causada por agressões, e não por manobras de ressuscitação. Além disso, detalhou que sangue perdido por Henry na hemorragia interna correspondia a entre 20% e 40% do volume total sanguíneo da criança.

Fonte: O dia

Ultimas notícias