1° caso suspeito de varíola dos macacos em Porto Alegre

Compartilhar
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on telegram

O Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS Nacional) investiga o primeiro caso suspeito de varíola dos macacos do Brasil. Trata-se um homem que desembarcou em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, após retornar de Portugal no dia último dia 10.

O paciente, que não teve o nome identificado, fará exames nesta segunda-feira (30/5) para confirmar ou não a infecção viral, segundo informações obtidas pelo jornal O Globo.

De acordo com o CIEVS Nacional, o paciente começou a sentir dores de cabeça, febre, e observou o aumento dos gânglios linfáticos três dias após desembarcar em Porto Alegre.

No dia 20 de maio, ele se queixou de calafrios, fraqueza física e observou o aparecimento das primeiras lesões na pele do rosto, do tronco e dos membros – um sintoma característico de varíola dos macacos.

Ele disse não ter tido contado com pessoas diagnosticadas com a doença, em surto na Europa. O caso segue em investigação.

Em nota, o Ministério da Saúde informou que, até o momento, não há casos confirmados da varíola dos macacos no Brasil e que está em contato com estados para apoiar o monitoramento e ações de vigilância em saúde.

Como ocorre o contágio
A fonte de infecção nos casos relatados ainda não foi confirmada pela OMS. No geral, a varíola dos macacos pode ser transmitida pelo contato com gotículas exaladas por alguém infectado (humano ou animal) ou pelo contato com as lesões na pele causadas pela doença ou por materiais contaminados, como roupas e lençóis. O período de incubação da varíola dos macacos é geralmente de seis a 13 dias, mas pode variar de cinco a 21 dias. Por isso pessoas infectadas precisam ficar isoladas e em observação por 21 dias.

Como a doença foi identificada
A varíola dos macacos foi descoberta pela primeira vez em 1958, quando dois surtos de uma doença semelhante à varíola ocorreram em colônias de macacos mantidos para pesquisa. O primeiro caso humano de varíola dos macacos foi registrado em 1970 na República Democrática do Congo, durante um período de esforços intensificados para eliminar a varíola. Desde então, a varíola dos macacos foi relatada em humanos em outros países da África Central e Ocidental.

Neste possível surto de 2022, o primeiro caso foi identificado na Inglaterra em um homem que desenvolveu lesões na pele em 5/5, foi internado em um hospital de Londres, depois transferido para um centro especializado em doenças infecciosas até a varíola dos macacos ser confirmada em 12/5. Outro caso havia desenvolvido as mesmas lesões na pele em 30/4, e a doença foi confirmada em 13/5. 

No dia 15/5, outros quatro casos foram confirmados pelo governo britânico, os quais apresentaram as lesões na pele. No dia 18/5, a agência do Reino Unido informou mais dois casos. Porém, nenhum deles havia viajado ou tido contado com pessoas que o fizeram, indicando uma possível transmissão comunitária da doença. 

Tem vacina
Historicamente, a vacinação contra a varíola comum mostrou ser protetora contra a varíola dos macacos. Embora uma vacina (MVA-BN) e um tratamento específico (tecovirimat) tenham sido aprovados para a varíola, em 2019 e 2022, respectivamente, essas contramedidas ainda não estão amplamente disponíveis e populações em todo o mundo com idade inferior a 40 ou 50 anos não tomam mais a vacina, cuja proteção era oferecida por programas anteriores de vacinação contra a varíola, porque estas campanhas foram descontinuadas. No Reino Unido, a vacina contra varíola está sendo oferecida às pessoas de maior risco.

Como se prevenir
Residentes e viajantes de países endêmicos devem evitar o contato com animais doentes (vivos ou mortos) que possam abrigar o vírus da varíola dos macacos (roedores, marsupiais e primatas) e devem abster-se de comer ou manusear caça selvagem. Higienizar as mãos com água e sabão ou álcool gel são importantes para evitar a exposição ao vírus, além de evitar contato com pessoas infectadas e usar objetos de pessoas contaminadas e com lesões na pele.

Fonte: Metrópoles e Instituto Butantan

Ultimas notícias