Valença: Diretora do JC alega que “Jogo da discórdia” tinha regras

Compartilhar
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on telegram

Na tarde dessa segunda (28) ocorreu um encontro, no Colégio João Cardoso, no município de Valença, no Baixo Sul da Bahia, a fim de esclarecer o que aconteceu durante o “jogo da discórdia” que repercutiu nas redes após um aluno ser agredido. A reunião se deu entre pais, alunos e mestres para que houvesse uma resolução do fato.

Segundo a diretora, tudo não passou de um mal-entendido da parte da garota. “Após o jogo, um aluno pediu para jogar os papéis no lixo para que a professora adiantasse a distribuição das fichas para o lanche. Segundo outro aluno, A.C pegou esses papéis e viu que em um deles estava seu nome e o adjetivo ‘corna’”, disse ela.

A.C disse ter reconhecido a letra de K.R no papel e decidiu contar para o namorado. Ele, por sua vez, ficou enviando mensagens a K.R o ameaçando e em seguida adentrou a escola com a farda da rede buscando o suposto autor do bilhete. Após o fato, o agressor pulou o muro da unidade de ensino com um colega que o auxiliou.

No planejamento do intitulado “jogo da concórdia e discórdia” apresentado ao Livre, os alunos podiam citar uma característica positiva e outra negativa sobre o colega sem precisar de assinatura.

Diretora justifica

 “O nome do jogo era da discórdia e da concórdia, e a professora Rita não tinha a intenção de provocar essa confusão. Ela está muito abalada com tudo isso”, frisou Creny.

“O namorado de A.C vestiu a camisa da rede de ensino estadual para ter acesso e tirar satisfações com o garoto”, disse ela que entendeu não ter existido consumação da agressão física.

O Livre teve acesso as regras do jogo, mas o documento não foi entregue ao jornalista Wellingthon Anunpciação, já que a diretora alegou outras razões.

Ministério Público e Conselho Tutelar serão acionados

Segundo Mateus Cunha, membro do gabinete da diretora do Núcleo Territorial de Educação, do Governo do Estado, informou que a oitiva de envolvidos no fato, será encaminhada ao Ministério Público e ao Conselho Tutelar.

“O fato vai além, nós estaremos dando todo suporte psicológico aos envolvidos, contudo, iremos atuar de forma legal nesta situação”, frisou.

Cunha ainda alegou que o acompanhamento também será dado a jovem acusante, uma vez que a mesma – menor de idade – envolvida em um relacionamento tem a necessidade de compreender as limitações para convivência em sociedade.

Ultimas notícias