Tesoureiro do PT é morto na própria festa de aniversário por policial penal

Compartilhar

O guarda municipal e tesoureiro do PT, Marcelo Aloizio de Arruda, de 50 anos, foi assassinado a tiros enquanto comemorava o próprio aniversário em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, neste sábado (10). A festa tinha como tema o Partido Trabalhista, com fotos do ex-presidente Lula.

Foto do tema da festa de Marcelo, de 50 anos
Foto: Reprodução/ Redes sociais

Segundo a Polícia Civil, Marcelo foi morto pelo Policial Penal Jorge Jose da Rocha Guaranho, e no boletim de ocorrência consta que o policial chegou ao local gritando, “aqui é Bolsonaro”.

Em um áudio que está circulando nas redes sociais, uma testemunha relata que o acusado chegou no local da festa gritando o nome do presidente Jair Bolsonaro, o aniversariante se dirigiu até o carro pensando ser um convidado. “Começou a gritar coisa do Bolsonaro de dentro do carro. Nisso, o Marcelo foi até a frente meio que achando que era um convidado. Aí, nisso, o cara tira uma arma pra fora pela janela, aponta para o Marcelo, aponta para todo mundo. Aí o Marcelo vê que o negócio é sério, o Marcelo estava com um copo de chope na mão, joga no cara e se esconde, tenta se proteger da linha de tiro”.

Ouça o áudio da testemunha que estava no local:

Ainda segundo informes, Jorge voltou ao local minutos depois com arma em punho, Marcelo também sacou a amar e se apresentou como policial, e mesmo assim, o policial penal atira contra Marcelo que revida, mas mesmo assim, é assassinado.

A Polícia Civil informou que ao ser atingido por Guaranho, Marcelo Arruda, que estava armado, revidou e atingiu o policial. Até o momento não havia uma informação clara sobre o estado de saúde de Guaranho. A Polícia Civil chegou a informar que ele morreu, mas, mais tarde, afirmou que não era possível confirmar a morte.

O secretário de Segurança Pública de Foz do Iguaçu, Marcos Antonio Jahnke, lamentou a morte e afirmou que a Polícia Civil investigará as motivações do crime. “Pelo que a gente percebeu foi uma intolerância política”, disse o secretário.

De acordo com a corporação, tratou-se uma discussão em uma festa de aniversário e mais detalhes serão divulgados. O caso é investigado pela Delegacia de Homicídios.

Ultimas notícias