Search
Close this search box.

Lucas Maia e André Pereira. Crimes coincidentes existem?

Compartilhar

Nas últimas horas me deparei com uma notícia que causou um remake na minha cabeça

Na capital baiana, há 256 km de Valença, Baixo Sul da Bahia, um dentista foi encontrado morto em seu apartamento. A informação seria mais uma nas centenas de textos espalhados nos sites afora se um modo de ação não fosse tão coincidente. Lucas, antes da morte, ficou horas nas mãos do sequestrador, teve suas unhas arrancadas, pés e mãos amarrados e bens levados de seu apartamento em uma mala.

O mesmo aconteceu em junho deste ano com o empresário valenciano, André Pereira, que com sua rotina de estar em rodízio de relações com desconhecidos, teve a vida ceifada da mesma forma que Lucas.

Até os dias atuais não existem detalhes sobre os nomes dos demais responsáveis pelo fim de vida de André – já que apenas um menor de idade responde em liberdade, bem como o que se tem sobre a morte de Lucas até o momento é o depoimento de amigos que recebiam imagens de rapazes que o mesmo se relacionava, mas sem dados concretos.

Os crimes são similares em modo de ação. Vítimas em vida solo, residindo só e com status financeiro aparentemente saudáveis. Teríamos então um grupo especializado em aquisição de confiança e estudo para realização de crime contra solitários vulneráveis.

Segundo um investigador da Polícia Civil da Bahia, este tipo de crime é feito por quem conhece o caminho, a rotina e os acessos, já que são realizados no interior da casa das vítimas. A dica ofertada é que não se aproximem e não levem para o lar figuras que há pouco eram estranhas. “Este tipo de crime não ocorre em locais externos, mas sempre na casa para que vizinhos duvidem da existência de emergências e achem se tratar de brincadeiras ou algo do tipo”, alerta o agente da PC.

Agora, resta aguardar a ação da polícia baiana para compreendermos se existem ou não ligações de figuras nestas cenas de crime, por hora a dica é se precaver.

Ultimas notícias