Infectologista Fernando Badaró não vê segurança em flexibilização de máscara

Compartilhar
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on telegram

Após o uso de máscara em ambientes abertos ser liberado, a tendência é que o mesmo ocorra para os locais fechados – o que já vem acontecendo de maneira quase generalizada em várias cidades no interior da Bahia e em capitais brasileiras. No entanto, adotar a medida ainda é seguro na avaliação do médico infectologista Fernando Badaró, que falou sobre o assunto nesta quinta (7), em entrevista ao programa Isso é Bahia, da rádio A Tarde FM.

Na avaliação do profissional, é preciso ter bom senso na tomada de decisões. “Em alguns ambientes fechados, que não tenham ventilação e sejam pequenos, evidentemente não é seguro. A pandemia não acabou, apesar de, recentemente, não termos nenhum caso registrado na Bahia. O país é muito grande, a migração de pessoas entre estados e cidades também é, e o fato de casos novos não aparecerem nas estatísticas não quer dizer que eles não existem. Se todo mundo deixasse de usar máscara em todos os lugares, evidentemente, o número de casos aumentaria no mundo inteiro”, alertou.

O infectologista comentou também a liberação ocorrida em Salvador para alguns ambientes, como academias, estádios e comércios de rua. “Nos estádios de futebol, por exemplo a máscara foi liberada. Mas um estádio cheio causa aglomeração muito grande. Um espaço pequeno que mal cabe 1000 pessoas, às vezes está com 5000 pessoas aglomeradas. A flexibilização não quer dizer que as pessoas podem ficar aglomeradas à vontade. Mas estamos vivendo ainda uma pandemia, com vírus caminhando para se tornar endêmico, e o que permitiu isso foi a vacinação”, enfatizou.

Para especialistas, os métodos científicos utilizados pela Estatística permitem realizar flexibilizações, mas ele ressalta que a ciência possui diversas variáveis e liberações por etapas ainda são mais adequadas. Ele crê que critérios políticos, muitas vezes, se sobrepõe aos técnicos. “Aqui no Brasil e no mundo inteiro. É ano de eleição, os políticos vão querer fazer comícios com aglomerações. Tem os empresários de shows e os artistas que querem trabalhar. Existe uma pressão social muito grande para a liberação das máscaras em geral, mas em passo avançado pode trazer um retrocesso no controle da pandemia”, alertou

Fonte: Atarde

Ultimas notícias