Estudantes denunciam apologia ao nazismo dentro da UFBA

Compartilhar
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on telegram

Uma denúncia de apologia ao nazismo dentro da Universidade Federal da Bahia (UFBA) foi feita por estudantes nesta quarta (25). Um aluno teria feito uma saudação nazista com as mãos em frente ao Restaurante Universitário, no campus de Ondina.

De acordo com relatos, o garoto foi repreendido pelos colegas, que ainda questionaram se ele sabia o significado do gesto. Como o aluno continuou a repetir a saudação, uma jovem que estava na fila, que se identifica como descendente de judeus, tentou acertar o rapaz com a mochila. Outros estudantes tentaram segurá-la.

“Nesse momento, me senti ofendida e fui pra cima dele, porque posso estar errada no método, mas certa na razão pelo qual eu parti para uma agressão, porque ele cometeu um crime”, diz a jovem em áudio que está sendo divulgado nas redes sociais. Ela também afirma que irá registrar um boletim de ocorrência sobre o caso.

Parte da confusão que se seguiu foi filmada por diversos alunos, que estavam reunidos na fila do restaurante.

A Lei do Racismo (nº 7.716/89) estabelece que é crime no Brasil praticar, induzir ou incitar discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional, no que se enquadra a apologia ao nazismo. Especificamente sobre o nazismo, a legislação aponta que é crime “fabricar, comercializar, distribuir ou veicular símbolos, emblemas, ornamentos, distintivos ou propaganda que utilizem a cruz suástica ou gamada, para fins de divulgação do nazismo”, sob pena de dois a cinco anos de prisão e multa.  

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), já inclusive se posicionou sobre apologias ao nazismo. “A Constituição consagra o binômio: liberdade e responsabilidade. O direito fundamental à liberdade de expressão não autoriza a abominável e criminosa apologia ao nazismo”, escreveu no Twitter.

Procurada, a UFBA ainda não enviou um posicionamento sobre o caso.

Fonte: Correio 24h

Ultimas notícias