Colégio estadual quilombola em Jequié cria clube de leitura dedicado a escritores negros

Compartilhar

No Colégio Estadual Doutor Milton Santos, instituição de ensino quilombola localizada no município de Jequié, distante 365 quilômetros de Salvador, a literatura tem sido utilizada como forma de combate ao racismo. Há um ano, foi criado o espaço “Leitura Preta no Quilombo”, um clube do livro, cujo diferencial é um acervo exclusivamente formado por escritores negros brasileiros e estrangeiros. A proposta é aprofundar a discussão sobre o tema e, ao mesmo tempo, fortalecer a identidade negra e quilombola.

O clube é uma iniciativa da escritora e professora de Língua Portuguesa Jéssika Oliveira, que leciona no colégio estadual e é também residente do curso de Letras da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb). “O projeto nasceu como forma de confrontar o racismo e a evasão escolar. Com a leitura, é possível observar e entender vários contextos, inclusive identificar situações de racismo e injúria racial. No primeiro momento, por exemplo, os estudantes nem sabiam que existiam escritores negros, a exemplo de Machado de Assis. Hoje, eles se sentem representados, compartilham com seus pais, familiares e amigos a experiência, se identificando e valorizando sua história e a contribuição importante dos povos africanos e afro-brasileiros na construção do país”, explica.

A professora ressalta, ainda, que o projeto só está sendo possível graças ao apoio da direção do colégio, que abraçou a ideia e vem viabilizando sua realização, três vezes por semana, no ambiente escolar, nos turnos vespertino e noturno, para os alunos do Fundamental 2 e Ensino Médio. “Percebemos que a iniciativa já se reflete de forma positiva, como uma porta que se abriu para o aluno tomar consciência sobre sua ancestralidade e a importância do resgate da sua identidade e, assim, estar incluído dentro da sociedade”, afirma o vice-diretor da instituição, Jefferson Rosa.

Primeiro aniversário – Nesta semana, em comemoração ao primeiro aniversário da iniciativa, estão programadas rodas de conversas e um bate-papo, que será no formato remoto, com a coordenadora executiva do Juventudes do Agora e conselheira nacional da Juventude pelo Ministério da Educação (MEC), Wesla Monteiro. “Ao trabalhar a temática do combate ao racismo e todo tipo de preconceito no ambiente escolar, por meio da leitura de autores negros, criamos uma conexão com nossas origens e passamos a entender e valorizar quem somos”, ressalta Jessika Oliveira.

Para Sofia Neves Silva, 14 anos, da 9ª série e vice-presidente do Clube de Leitura, de todos os livros, o que mais a marcou foi o “Becos da Memória”, de Conceição Evaristo. A obra relata a realidade dos negros do Brasil, moradores da favela, suas dores, lutas e sonhos, pelos olhos de quem realmente a vivenciou. “Eu me identifiquei muito com o livro e me emocionei demais com os problemas relatados em suas páginas, porque não estão distantes de nós”, declara.

Já para a presidente do clube, a aluna Ana Luísa Santana, também da 9ª série, “O Que é Racismo Estrutural”, de Sílvio Almeida, que traz uma discussão sobre raça, racismo e a estrutura das relações sociais, ao longo de cinco capítulos, foi, dentre as diversas obras vista no clube, a que mais a impactou. Para ela, são discutidas no livro pautas variadas, muitas das quais que nem eram do seu conhecimento, nem de seus colegas. “Acredito que, a partir da leitura desses livros espetaculares, poderemos evoluir bastante”, revela.

“O clube mudou a minha vida”. O relato forte e emocionado do estudante Maicon Salomão Almeida, da 9ª série, traduz o sentimento de todos os integrantes do clube. A partir da leitura de “Quando me Descobri Negra”, de Bianca Santana, o jovem, que é um dos fundadores do clube e seu grande entusiasta, declara que deu para entender melhor sobre sua identidade e ressignificar as suas experiências enquanto pessoa preta. A obra apresenta uma série de relatos de mulheres e homens negros, ao romper imposições sobre a negritude e desconstruções de muros que impedem um olhar positivo sobre si mesmo.

Em novembro do ano passado, mês dedicado à Consciência Negra, foi realizado o 1º Concurso Literário do Quilombo, em que, além dos 25 alunos que frequentam três vezes por semana o clube de leitura, toda a comunidade escolar participou, totalizando 1.500 trabalhos inscritos. “Estamos, agora, trabalhando em uma proposta de criação de uma plataforma digital para catalogar autores negros de toda a região Sudoeste da Bahia. Uma forma de conhecer, apoiar e, também, dar mais visibilidade à produção literária desses escritores”, adianta a professora.

Ultimas notícias