Segurança

SSP-BA vai punir policiais e bombeiros que participarem de atos antidemocráticos

O secretário titular da Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), Ricardo Mandarino, anunciou que a pasta vai, nos termos da lei, punir policiais e bombeiros que participem de atos antidemocráticos, na Bahia, no feriado de 7 de setembro.

Fonte: Reprodução

“Não vamos permitir isso e acabou ponto final. É isso que eu acabei de determinar, diante dessas notícias que a imprensa está publicando, especialmente a imprensa do sul do país de que os setores da Polícia Militar e Civil estariam se movimentando para no 7 de setembro praticar atos criminosos as nossas instituições democráticas, determinei que as corregedorias das Polícias Civil Militar e do Corpo de Bombeiros autuem qualquer integrante delas que estejam praticando atos de vandalismo, atos antidemocráticos em nome da liberdade expressão”

Declarou Mandarino, na noite deste sábado (4).

Os atos vêm sendo convocados, principalmente, pelo presidente Jair Bolsonaro. Em Salvador, está prevista uma manifestação no Farol da Barra. Mandarino ainda fez uma defesa enfática das instituições e avisou que serão processados os oficiais que descumprirem as determinações.

“A liberdade de expressão é um direito sagrado, mas ninguém tem liberdade de expressão pra acabar com a democracia, ninguém pode atacar as instituições, as instituições brasileiras e de qualquer país democrático elas são sagradas. O Congresso Nacional é uma instituição sagrada, o Poder Judiciário é uma instituição sagrada, é representado pelo Supremo Tribunal que é o topo da instituição”.

Enfatizou Mandarino

Como já informado, governo estaduais monitoram possíveis atos de indisciplina, mas publicamente afirmam que não há clima para preocupação. Promotores da Justiça Militar e até juízes têm se movimentado para coibir a presença de PMs da ativa nos atos. Alguns evocam até mesmo as consequências de ações antidemocráticas segundo o Código Penal Militar, que prevê penas de 2 a 8 anos de prisão para crimes como incitação à indisciplina, conspiração e motim. 

Presente em cerimônia na cidade de Tanhaçu, interior da Bahia, na última sexta-feira (03), o presidente Jair Bolsonaro voltou a atacar as instituições democráticas. Ele disse que os atos programados para o dia Sete de setembro são o “ultimato” do povo brasileiro contra a Corte e, em especial, a “um ou dois” que tentam constranger o seu governo.

“Nós temos que fazer valer a vontade do povo. Após o 7 de setembro, o que ficará para todos nós somos essa demonstração gigante de patriotismo, visto nos quatro cantos do Brasil. Duvido que aqueles um ou dois que ousam nos desafiar, desafiar a Constituição, desrespeitar o povo brasileiro, não saberão voltar para o seu lugar. Quem dá esse ultimato não sou eu, é o povo brasileiro […] Na próxima terça-feira, dia 7, será o ultimato para essas duas pessoas que tem que entender o seu lugar. Curvem-se à Constituição, respeitem a nossa liberdade”

Disse o presidente.

Fonte: Bocão News

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo