Notícias

Assassino de Liel diz que amante da “Viuva Negra” sabia e também planejou crime

MP acusa Ezequiel de participação no crime de Buiu

Ezequiel Conceição da Silva, amante de Mariele de Jesus – a Viuva Negra de Valença, no Baixo Sul, é acusado pelo Ministério Público da Bahia de partícipe no crime planejado para tirar a vida do empresário Liel de Jesus dos Santos, e teve denúncia acatada pelo juiz Reinaldo Peixoto da 1ª Vara Criminal, Júri e de Execuções Penais da Comarca de Valença.

Liel, em sua última imagem vivo.
Foto: Redes Sociais

Livre teve acesso exclusivo as peças processuais, depoimento dos envolvidos e manifestação das defesas, inclusive ao depoimento de Constantino Pereira Filho – o Neném, contratado por Mariele para matar o marido. Arguido pelo juiz sobre a participação de Ezequiel no crime, o assassino de aluguel relata que o amante sabia de toda a armação.

Constantino – o Neném.
Foto: Reprodução

“Desde agosto de 2018, ela e o amante vinham tramando. Ezequiel ligou uma semana depois para mim, me perguntando se tinham feito o trabalho mesmo. Ezequiel ligou para mim perguntando sobre o crime. A mentora de tudo foi Mariele junto com o Ezequiel. Liel não aceitava a separação e dizia que Mariele iria sair com uma mão na frente e outra atrás. Buiu era como se fosse uma pedra pra ela viver com o amante”, são trechos do depoimento de Constantino.

“Dos autos se extrai a existência de indícios suficientes da autoria e da materialidade delitiva, restando evidenciada a justa causa para a deflagração da ação penal. Assim, com apoio nos arts. 41, 395 e 396 do CPP, recebo a denúncia. Cite-se o réu para responder, por escrito, aos termos da acusação, no prazo de 10 (dez) dias, nos moldes do art. 396-A do CPP, sob pena de nomeação de Defensor Público, podendo os acusados arguir preliminares e alegar tudo o que interesse à sua defesa, oferecer documentos e justificações, especificar as provas pretendidas e arrolar testemunhas, qualificando-as e requerendo sua intimação, quando necessário, conforme dispõe o art. 396-A do CPP”, determinou o magistrado.

Wellingthon Anunpciação

Jornalista Especialista em Comunicação Política

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo