Opinando

Baixo Sul: Qual a maneira de humanizar o trabalho dos coletores de resíduos?

Os coletores de resíduos que trabalham em cima de caminhões coletando lixos pelas ruas dos municípios do Baixo Sul da Bahia, diariamente estão à mercê de diversos riscos. Mesmo durante o período de pandemia da COVID-19, continuam recolhendo o que foi gerado pelos moradores.

É importante que nesta crise sanitária os cuidados e empatia por estes trabalhadores sejam redobrados. Apesar de portarem os Equipamentos de Proteção Individual (EPI), a forma que são transportados nas caçambas é bastante perigosa.

Pensando nisso, um equipamento inovador foi criado pelo capixaba Jean Carlos Gomes há alguns anos, com o objetivo de que o transporte de coletores e garis na parte externa de caminhões de lixo seja extinto. Inicialmente, o equipamento denominado ‘Célula de Segurança’ capaz de transportar até quatro pessoas, foi testado e aprovado apenas no Rio de Janeiro, mas logo veio ganhando destaque no país.

A segurança do trabalhador é fundamental e garantida por lei. Embora seja extremamente comum, o transporte de funcionários da limpeza urbana nos estribos de veículos de coleta de lixo enquadra-se no artigo 235 do Código de Trânsito Brasileiro, com penalidade multa e retenção do veículo. 

Além disso, em 2014, a Associação Brasileira de Normas e Técnicas (ABNT) regulamentou os compactadores de lixo e passou a recomendar que os trabalhadores que fazem a coleta de lixo não sejam transportados nos degraus dos veículos.

A classe dos trabalhadores da limpeza urbana é bastante desprivilegiada, por isso, o equipamento ainda é pouco utilizado nos municípios brasileiros. Entretanto, a expectativa é que os municípios do Baixo Sul da Bahia que de fato prezam pela humanização do trabalho destes profissionais, adotem a medida de instalação da ‘Cédula de Segurança’ nos caminhões de coleta.

Para mais, a própria comunidade pode contribuir com o trabalho desta classe, especialmente devido a pandemia, reforçando as sacolas dos lixos e preenchendo-as com até dois terços da capacidade, além de fazer o descarte de luvas e máscaras de proteção de forma adequada.

As prefeituras também deveriam explorar o uso de containers, pois trazem inúmeros benefícios para coletores e a população, principalmente em relação a sua capacidade de armazenamento. Os contentores são colocados em locais estratégicos dos bairros para que os moradores próximos façam o próprio descarte em vez de colocar a sacola de lixo na porta de casa, evitando que animais de rua rasguem as sacolas e os resíduos estejam espalhados pelas ruas.

Dessa forma, diminui-se consideravelmente a necessidade de caminhadas dos coletores – que por vezes são sobrecarregados devido à baixa contratação e apesar do auxílio do caminhão, pode chegar a quilômetros por dia, até mesmo carregando os sacos de resíduos que na atualidade, é ainda mais arriscado à saúde.

Raylane Santos

Raylane Santos é jornalista de Livre Notícias e Analista de Figuras Públicas.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo