Recente Notícias

Mulher reclama de prostíbulo em Valença e vira meme

Situação ocorreu durante programa apresentado por Wellingthon Anunpciação

Uma situação inusitada aconteceu na 2ª Edição do Programa De Cara com a Verdade, na rádio Rio Una, no município de Valença, Baixo Sul do estado, nesta quarta (02), quando uma ouvinte não identificada enviou mensagem para a rádio reclamando do funcionamento de um possível centro de lazer noturno. Segundo a mulher, o “centro”, que funciona em um bar, “vai contra os pudores da sociedade valenciana”, uma vez que seu marido tornou-se cliente assíduo do local.

De pronto, o radialista Wellingthon Anunpciação, discordou da posição da mulher e informou que se está existindo qualquer ato entre as supostas prostitutas/garçonetes e seu marido, a culpa seria de quem iria ao bar, não de quem ofertava o serviço.

Não conformada a mulher enviou outra mensagem informando que “a cerveja do local seria cara, 10 reais a garrafa”, e obteve de resposta do radialista a posição de que, compra quem quer o produto que está no cardápio.

“Sou contra a prostituição infantil, precisam ser presos todos que patrocinam isso e usam menores. Porém as adultas fazem aquilo que desejam de suas vidas. A época da inquisição já passou, as prostitutas vivem vendendo seu corpo, é decisão de cada um”, defendeu Wellingthon.

Ouvintes gravaram o programa e viralizaram o áudio nos principais grupos de uma rede social, causando discurso de diversas opiniões, entre pastor, dono de bar, cantora, presidente de associação e até mesmo professor no grupo de WhatsApp “O Sistema é Bruto” – principal fonte de discussão de temas variados.

02 de junho
A coincidência ocorreu no dia em que se é comemorado o Dia Internacional da Prostituta. Isso mesmo, não se trata de nenhuma brincadeira. Este dia tem o objetivo de denunciar a discriminação, como a sofrida pela denúncia de uma ouvinte na rádio, assim como as precárias condições de vida e de trabalho.

A origem do Dia Internacional das Prostitutas está no protesto de 2 de junho de 1975, quando mais de cem mulheres ocuparam a igreja de Saint-Nizier, em Lyon, França, em protesto contra a repressão sofrida na altura. O protesto visava as multas recebidas, as detenções e os assassinatos de colegas que não eram investigados.

A cobertura midiática do incidente levou a mais protestos organizados por prostitutas, quer em França, quer noutros países do mundo. Apesar do apoio da população, a ocupação terminaria na madrugada de 10 de junho, após uma violenta expulsão pela polícia. A brutalidade das autoridades levaria a uma maior indignação e desde 2 de junho de 1976 se relembra então anualmente este incidente e se visa a regularização da profissão que é considerada a mais antiga do mundo.

Raylane Santos

Raylane Santos é jornalista de Livre Notícias e Analista de Figuras Públicas.

Artigos relacionados

Um Comentário

  1. Ora, quem quer respeito dá respeito. Se uma pessoa tem um casamento, este deve saber que deve frequentar ambientes que lhe convém. Cada um faz de sua vida o que bem quer e da forma que acha que deve, isso se chama livre arbítrio. Quem tem que se impor neste caso é ele que é casado. Concordo com o radialista. “Compra quem quer o produto que está no cardápio”. O direito de um começa quando o do outro termina, assim vice e versa.
    Cuidem-se, usem máscara e álcool em gel e mantenham com o distanciamento social. Beijos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo