Saúde

Maranhão registra 6 casos de covid provocados por variante indiana

O Estado do Maranhão registrou os primeiros 6 casos de covid-19 no Brasil provocados pela variante B.1.617 do coronavírus, detectada pela primeira vez na Índia. Na sexta-feira (15), um paciente indiano, de 54 anos, deu entrada em um hospital da rede privada de São Luís. Ele é tripulante do navio Mv Shangon Da Zhi, ancorado no Estado.

Depois da notificação do 1º caso, outros 14 tripulantes tiveram resultados positivos para testes do coronavírus e 9 tiveram diagnósticos negativos. Em nota, a Secretaria de Saúde do Maranhão disse que foi possível fazer o estudo genômico em 6 infectados, confirmando a presença da cepa indiana. Os outros 8 tinham a carga viral muito baixa e não foi possível fazer.

Os 23 tripulantes estão isolados em cabines individuais, dentro da embarcação. Das pessoas infectadas, 12 estão assintomáticas e 2 com sintomas leves.  Segundo a nota, 1 paciente está fora do navio para receber atendimento de saúde na UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

O governo estadual informou no domingo (17.mai) que foi notificado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) sobre os sintomas e a hospitalização do paciente.

Um teste já havia confirmado o diagnóstico, mas ainda não havia sido identificada a cepa do coronavírus que causou a doença nos tripulantes.

VOOS RESTRITOS

Em 14 de maio, a Casa Civil da Presidência da República publicou uma portaria que restringe os voos vindos da Índia para o Brasil, exceto os transportadores de carga. A medida busca evitar a propagação da variante do novo coronavírus identificada no país asiático.

CEPA INDIANA

Em 10 de maio, a OMS (Organização Mundial da Saúde) disse que a variante indiana tem risco de maior transmissibilidade e características que podem tornar as vacinas menos eficazes. Segundo a organização, a cepa já foi identificada em pelo menos 17 países.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo