OpinandoSaúde

COVID-19: A cada 45 segundos, uma pessoa morre em decorrência da doença no Brasil

Os dados atualizados estão no painel do Conselho Nacional de Secretários de Saúde

De acordo com dados das secretarias estaduais de Saúde, consolidados no final da tarde desta quarta-feira (3), o Brasil bateu mais um recorde de mortes em decorrência da Covid-19.

O país registrou 1.910 mortes pela doença nas últimas 24 horas – recorde desde o início da pandemia – chegando ao total de 259.271 óbitos registrados até o momento.

No último período, foram apontados também 71.704 novas confirmações do vírus. O acumulado de positivos desde o início da pandemia, somam um total de 10.718.630 casos.

Diante das informações apresentadas, fica alguns questionamentos: Como as pessoas conseguem andar sem máscara nas ruas e se aglomerarem? Como conseguem ir às festas nos finais de semana, promover o famoso churrasco com os amigos?

Mas também têm aquelas pessoas que não gostam de festas, precisam ir ao banco resolver seus problemas e formam uma grande aglomeração. Existem múltiplas funções em um aplicativo bancário em um celular que podem sim resolver muitas coisas. Mas e as pessoas que são analfabetas digitais, como ficam? A administração desses serviços precisa intervir, pois as filas fora das agências são maiores que o número de pessoas em um bar em cidades do interior.

Então julgamos o poder público por decretar medidas de prevenção a Covid-19. Porém, não é só o Governo que precisa ter responsabilidade em meio a pandemia, precisamos estar lado a lado, a começar pelo respeito a vida e cumprir todas as restrições de prevenção ao contágio e transmissão do coronavírus.

Pacientes suspeitos andam nas ruas como se nada estivesse acontecendo, como se todas as outras pessoas fossem imunes ao vírus. Todavia, segundo o Art. 268 do código penal, sair de casa com suspeita ou testando positivo para a Covid-19 é crime com pena detenção de um mês a um ano e multa. O que se deve fazer é denunciar e estar a favor da Saúde Pública.

Ao que parece, parte da população ainda não entendeu a gravidade da situação ou está simplesmente ignorando, pois a pandemia da Covid-19 depende de todos para ser controlada. E na verdade, infelizmente, o que está matando não é só a doença, é a falta de empatia.

Raylane Santos

Raylane Santos é jornalista de Livre Notícias e Analista de Figuras Públicas.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo