Pimenta com veneno

Das novidades de Cairu, a que mais alegra o povo é a saída de Italuana da cidade

Visitando Cairu, no Baixo Sul da Bahia, há poucos dias, nunca vi uma alegria tão extensa por parte dos moradores da ilha. Passei pela sede do município arquipélago, visitei ilhas históricas e dialogávamos, eu, e nossa equipe com os moradores e o que mais chamou a atenção no levante de dados era a satisfação dos cairuenses com o livramento da gestão da secretária de Saúde do governo Fernando Brito, a Italuana Guimarães.

Assistente social, bacharel em Direito e administradora da Saúde da cidade, Italuana, com seu modo de gerir, tido como péssimo pelos moradores, fazia comunidade e vereadores cantarem em verso e prosa seu pedido de demissão, que jamais foi ouvido pelo oficial de justiça, Fernando Brito.

A assistente social Italuana Guimarães e o oficial de justiça Fernando Brito, são secretária de Saúde e prefeito de Cairu até final deste mês. Foto: Redes Sociais

Na Câmara semanalmente eram diversas queixas, na imprensa a população desabafava acerca dos distratos que sofriam. Falta de material simples em Postos de Saúde, suspensão de pagamento de direitos salariais, suspensão de pagamento de auxílios de locomoção de funcionários e situações tidas como constrangedoras eram relatadas para todos os lados, isso que mais fez o povo de Cairu usar a “caneta” que Fernando jamais usou para demitir ele, e também levar Italuana junto, que com uma marca de péssima gestora deverá encontrar dificuldades para alicerces na região.

Entre histórias e estórias contadas pela população cairuense esta a que mais magoou a população de Gamboa, quando a secretária fez desdém da pandemia do coronavírus e não colocou as barreiras nas entradas das ilhas turísticas, fazendo com que turistas entrassem nos paradisíacos locais nas noites e madrugadas e possivelmente tivesse levado mais uma porção de vírus para os que estavam em paz.

Mas, a saga ainda não chegou ao fim. Faltam 24 dias, 576 horas para que Fernando oficialize a demissão, até lá torçamos para que nenhum ato considerado maléfico ocorra, prejudicando assim a comunidade que ansiosa espera por um novo formato na Saúde do município, o que dá aos novos gestores ainda mais responsabilidade para com a situação.

Enfim, entre mortos, distratados, gritados, “encovidados”, desmoralizados e desacatados, salvaram-se todos.

Wellingthon Anunpciação

Jornalista Especialista em Comunicação Política

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo