Pimenta com veneno

As caças descobriram como driblar os caçadores

Nos últimos dias diversos pré-candidatos realizaram pesquisas nos diversos municípios da Bahia, isso, achando alguns que o processo de votação da PEC na Câmara dos Deputados manteria a data original (04 de outubro).

Diversas empresas estiveram se instalando em municípios, em sua boa parte recrutando munícipes para o trabalho e com um diferencial maior: Querendo rápidos resultados.

Processo feito. Correria instalada. Pesquisadores nas ruas e uma descoberta que poderá, caso não exista uma estratégia bem colocada por parte dos empresários do ramo, fadar a dúvida os trabalhos de recolhimento de dados, isso por que perguntas direcionadas em pesquisas tem feito o eleitor “brincar” na hora das respostas.

Segundo um empresário, amigo da área, que realizou pesquisa em Valença nos últimos dias, o cliente solicitou e disse como queria estas perguntas, e, mesmo tendo sido orientado a questionar de forma a obter um resultado claro, o pagador optou em seguir o que ele chamou de “minha estratégia”.

Por motivo de coincidência, um dos entrevistados foi este que vos escreve, e ao observar o interesse da pesquisa iniciei uma série de respostas que ao menos naquela ficha uma “confusão” seria notada pelo estatístico, que, se não empreendeu margem de erro na casa dos 5%, uma ilusão pode ter saído no extrato, acompanhei as demais pessoas entrevistadas e ao questionar o que elas achavam, de pronto veio a resposta: “a pesquisa é para cicrano”, dizendo unanimemente o nome do possível contratante, e pasmem, era a pessoa mesmo.

No diálogo, começamos a rir, e um dos coletados disse que respondeu “o que eles queriam achar”, mas que na urna era “outro jogo”. Concluso ficou que: Ou se imparcializa ao máximo as pesquisas realizadas nos municípios da Bahia, ou os candidatos e candidatas se enganarão, serão enganados e o melhor – a cereja do bolo – com a descoberta de que podem ajudar com dados, os eleitores brincarão antes mesmo de serem esquecidos pelos futuros governantes, que do povo quer informação para transformar em estratégia.

Enfim, um dia do caçador, outro da caça bem municiada de forma a colocar o predador na armadilha.

Wellingthon Anunpciação

Jornalista Especialista em Comunicação Política

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo