Valença: Com risco de desabamento, MP poderá interditar atividades na Câmara Municipal


Vereadora Lorena Mercês pediu ao MP interdição do local

Localizado na Rua Comendador Madureira, no Centro da cidade, o prédio da Câmara Municipal de Valença está seriamente ameaçado e condenado ao desabamento, além de uma praga de cupins que atinge a claraboia do paço, existe ameaça de desabamento do teto do plenário. Esses problemas chegaram a ser detectados no ano passado, o prédio, inclusive, foi alvo de uma vistoria do  Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC), que emitiu laudo.
Após alguns reparos na estrutura física no ano passado e uma ameaça de desabamento com suspensão de uma sessão ordinária devido aos vereadores temerem por suas vidas e as do público, os trabalhos no local foram suspensos e retomados uma semana após.

No relatório esta visível as problemáticas do prédio, que poderá desabar a qualquer momento.

Ministério Público poderá interditar local
Preocupada com a segurança do público, a vereadora Lorena Mercês (PRB), encaminhou ao Ministério Público os pareceres do IPAC e do engenheiro civil Alan Ainsworth de Oliveira, este último que indica a necessidade urgente do encerramento de atividades no Paço, há quase um ano, exatamente 20 de junho de 2017.
“Importa-nos ressaltar a necessidade de paralisação dos serviços na Câmara de vereadores e interdição IMEDIATA da mesma, cumpre-nos ainda registrar os riscos de DESABAMENTO da claraboia central, que fica no vão principal da escada de acesso ao pavimento superior, uma vez que foi constatado recalque no assoalho de sustentação da claraboia, onde vinham sendo realizados serviços paliativos nessa estrutura (sic)”, escreveu o profissional em seu relatório.
Segundo a edil, não é mais possível prolongar esta situação. “Vamos manter a nossa vida e a do povo que assiste as sessões ordinárias desta casa em risco? Entregamos a documentação ao Ministério Público e já que há quase um ano de entregue o relatório nenhuma providência ter sido tomada, recorremos a quem tem poder de intervir”, ressaltou a Mercês.
O presidente da Câmara Municipal de Valença, Luiz Muniz – o Luiz do Boi (PR), não atendeu as ligações da redação de Livre para comentar sobre o assunto.
O MP e seu representante ainda não emitiu seu parecer sobre os laudos, por tê-los recebido recentemente.

Clique nos links abaixo e acesse os relatórios do IPAC e do engenheiro Alan Aisnworth.

Laudo IPAC
Laudo ALAN AINSWORTH

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *